Campus de Cornélio Procópio
Cornélio Procópio, 14 de fevereiro de 2015
Previna-se: a dengue é uma ameaça para sua família
 

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (12) o balanço da situação da dengue no Paraná. Sete municípios estão em situação de epidemia e 107 registram casos da doença, a maioria em cidades das regiões Norte, Noroeste e Oeste. Foram confirmados 892 casos de dengue no Estado nos últimos seis meses.

Cornélio Procópio está com infestação de pernilongos, conforme relatos de moradores aos órgãos de comunicação e nas redes sociais. As autoridades locais, como o Departamento de Vigilância Sanitária, ainda não se manifestaram. Denúncias à supervisão para controle da dengue, da 18ª Regional da Saúde, sobre a grande quantidade de pernilongos são reencaminhadas, conforme pudemos verificar por telefone. A informação é que a Regional somente tomará alguma providência se a Ouvidoria for acionada (?). O combate à proliferação do mosquito Aedes Aegypt precisa ser iniciado com brevidade para que a situação não se agrave com o surgimento de epidemia, como ocorreu há cerca de dois anos.

As cidades de Itaúna do Sul, Paranapoema, São João do Caiuá, São Pedro do Paraná, Rio Bom, Jataizinho e Rancho Alegre D'Oeste registram uma média acima de 300 casos da doença por 100 mil habitantes, o que determina a situação de epidemia.

Outras seis cidades têm risco médio de infestação: Uraí, Tamboara, Diamante do Norte, Amaporã, Loanda e Iporã. Essas informações estão no levantamento do índice rápido de infestação, realizado em dezembro de 2014 e janeiro de 2015.

Diante da avaliação, o Estado alerta a população para eliminar recipientes que acumulam água e que favorecem a proliferação do mosquito transmissor.

Os municípios com maior número de casos confirmados são Londrina (100), Itaúna do Sul (86) e São João do Caiuá (62).

Foto: Joel Rocha/SMCS

Fonte: Reportagem e Agência Estadual de Notícias

Orientações para evitar criadouros do mosquito

• Evitar o acúmulo de lixo e entulhos;

• Deixar sacolas e recipientes com lixo fechados;

• Manter as caixas d’água, tonéis ou tambores sempre vedados;

• Remover a sujeira das calhas e ralos;

• Não deixar pneus com água e em lugares descobertos;

• Deixar garrafas ou baldes com a boca para baixo;

• Esvaziar a água de bandejas de ar-condicionado e geladeiras;

• Colocar areia até a borda nos pratos de vasos de flores e plantas;

• Manter vasos sanitários sem uso fechados;

• Tratar a água de piscinas e fontes uma vez por semana;

• Esticar lonas para não formar poças;

• Lavar os recipientes de água dos animais uma vez por semana.