Campus de Cornélio Procópio
Cornélio Procópio, 27 de fevereiro de 2015
Informe do Comando de Greve da UENP
 

Ontem, reunidos em assembleia, nós, os professores da UENP, com a presença dos professores Renato e Nilson, presidente e vice do Sindicato, realizamos informes e avaliações sobre a nossa greve e as diversas reuniões ocorridas nos últimos dias com governo.

Reproduzimos a nota da Direção do SINDIPROL, lida na ocasião, que reafirma o compromisso com a continuidade do movimento até que o governo comprometa-se de forma clara que não reapresentará o projeto da Previdência e de retirada de nossos direitos.

Continuemos mobilizados, nossa nova assembleia será na próxima quinta-feira, 5 de março, em Jacarezinho.

Cornélio Procópio, 26 de fevereiro de 2015.

Comando de Greve da UENP


GOVERNO MONTA ESTRATÉGIA PARA TENTAR ACABAR COM O MOVIMENTO, MAS A GREVE CONTINUA

Após uma série de tentativas mal sucedidas de aprovar de uma só tacada as medidas para desmontar os serviços públicos no Estado, o governo acuado tenta contornar a situação criada por ele iniciando o que seriam negociações com alguns sindicatos em greve. Seriam negociações se o governo apresentasse propostas sérias e cumprisse o que promete. Mas não é isso que ocorre.

No caso das Universidades, a estratégia da SETI foi excluir da negociação os representantes das categorias em greve. As propostas foram apresentadas exclusivamente aos reitores que, por sua vez, se incumbiram de repassá-las. Desta maneira, não se pode afirmar que houve uma negociação, tendo em vista que o movimento apenas

ficou sabendo das propostas que incluem, por exemplo, uma comissão para discutir Autonomia Universitária com apenas 2 representantes dos servidores das IEES, dentre outros 9, e nenhum representante estudantil. Tampouco retiram as duas universidades mais novas do META 4.

Porém, o mais grave continua sendo a questão da Previdência. Em uma reunião entre o governo (SEAP, Casa Civil, Procuradoria do Estado, Paraná Previdência e Secretária do Trabalho) e os dirigentes sindicais ocorrida na última quarta-feira (25) ficou acordado que seria feito um estudo interno pela SEAP e que este seria discutido com as entidades sindicais, inclusive com a elaboração de um calendário para tratar da proposta.

Na quinta-feira, 26, no entanto, o Jornal Folha de Londrina publicou declarações do Chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra, anunciando que o governo reenviará à Assembleia Legislativa o projeto, com texto modificado, e que os servidores poderão apreciá-lo durante a tramitação nas comissões e, à Gazeta do Povo, o próprio governador confessou que reenviará o projeto.

A diretoria do Sindiprol/Aduel entende que o governo não mudou sua firme convicção de colocar às mãos nos 8 bilhões de reais que compõem o fundo do Paranaprevidência e que não pretende discutir ou negociar seriamente este e outros assuntos com os servidores.

Diante disso, a greve continua. Na próxima semana as assembleias de docentes discutirão o novo quadro.

26 de fevereiro de 2015

Diretoria do SINDIPROL/ADUEL
Sindicato dos Professores do Ensino Superior Público Estadual de Londrina e Região

Fonte: Comando de Greve da UENP

Moção de apoio aprovada pelo Consuni

O Conselho Universitário da Universidade Estadual do Norte do Paraná – CONSUNI/UENP - realizou reunião extraordinária no dia 19 de fevereiro de 2015, que discutiu a seguinte pauta:

1) Informes e Deliberações sobre as medidas do Governo Estadual;

2) Informes do Comando de Greve da UENP.

O Comando de Greve da UENP encaminhou ofício ao Conselho Universitário solicitando:

1) que não tramite proposta de Autonomia Universitária que não seja resultado do amplo debate pelos segmentos que compõem a comunidade universitária;

2) que o Conselho Universitário aprove uma moção de apoio à greve;

3) que a administração da Universidade não faça nenhuma ação de repressão ou retaliação contras as mobilizações.

O Conselho Universitário acatou as solicitações, em sua totalidade,

e registrou a seguinte "Moção de apoio à greve na UENP":

O Conselho Universitário da UENP, reunido extraordinariamente nesta data, tomou conhecimento do movimento de greve dos professores e servidores públicos do Paraná, dos encaminhamentos do SINDIPROL e de nossos docentes para formação do comando de greve na UENP e manifesta, de forma peremptória, posição contrária ao pacote do governo do Estado do Paraná, que afeta sobremaneira os serviços públicos, as Universidades, os docentes, funcionários e alunos da UENP, bem como a forma com que o mesmo foi encaminhado e conduzido na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP). Assim sendo, também manifesta apoio de forma unânime e irrestrita ao movimento grevista, em defesa de uma Universidade Pública, autônoma e democrática.