Campus de Cornélio Procópio
Cornélio Procópio, 16 de junho de 2016
CINUENP apresenta o instigante "Em Nome de Deus"
Uma indagação sobre o propósito da vida

"Em Nome de Deus" é a película que será exibida no próximo dia 18, sábado, às 8 horas, no Salão Nobre, no unidade centro da UENP-CCP, com debates mediados pelo Prof. Luiz Antônio de Oliveira, do colegiado de Pedagogia, como mais uma etapa do projeto CINUENP.

Abelardo, um respeitado filósofo e professor na escola da catedral de Notre Dame, na Paris do século 12, é contratado como tutor da inteligente e bela Heloisa, de 16 anos. Heloísa d'Argenteuil, que fora criada em um convento, possui grande curiosidade intelectual e tem um visão rebelde sobre o status inferior das mulheres na Europa desse tempo. Logo se apaixonam, mas precisam esconder sua afeição porque Abelardo, como acontecia com os acadêmicos na época, devia observar o celibato.

Cena do filme

O tio de Heloísa, que pretende casá-la conforme seus interesses, faz planos para acabar com o romance. Entretanto, ela tem um filho e se casa em segredo com seu amado. Mas o tio de Heloísa trama uma terrível vingança que irá mudar a vida dos amantes. Abelardo enfrenta uma luta consigo próprio por agir contra a vontade divina e por amar Heloísa.

Esta é uma história de amor definitivamente filosófica. Ela faz uma tentativa de responder a pergunta tão velha quanto o ser humano: Qual é o propósito da vida? Servir a Deus, como pensa Abelardo, ou procurar a felicidade na Terra, como acredita Heloisa?

Túmulo de Abelardo e Heloísa, no Cemitério Père-Lachaise, em Paris

O diretor Clive Donner realiza um brilhante trabalho ao enfatizar e configurar o dramático conflito entre estas duas visões da vida.

Com informações de
Internet Movie Database (em inglês)

FICHA TÉCNICA

Título: Em Nome de Deus (1988)
Diretor: Clive Donner
Gênero: Drama histórico
País de origem: Iugoslávia e Reino Unido
Duração: 115 min.
Colorido
Formato da tela: 1.33:1 (fullscreen)

Fonte: IMDb (em inglês)

Assista ao trailer (sem legendas):

A CORRESPONDÊNCIA DE ABELARDO E HELOÍSA
Após Heloísa se refugiar na Abadia de Paracleto, começou a correspondência entre os dois ex-amantes. Abelardo deixou a abadia, fugindo das perseguições, e escreveu a Historia Calamitatum, explicando suas tribulações, tanto na juventude, como um filósofo, e, posteriormente, como simples monge. Heloísa respondeu. Nas cartas que se seguiram, Heloísa manifestou consternação pelos problemas enfrentados por Abelardo.

Assim começou uma correspondência apaixonada e erudita. Heloísa incentivava Abelardo em sua obra filosófica e ele dedicou a sua profissão de fé a ela. Em um ponto, ela lhe diz para compartilhar cada detalhe de sua vida e para não protegê-la de aborrecimento. O Problemata Heloissae é uma coleção de 42 perguntas teológicas dirigidas de Heloísa a Abelardo no tempo em que ela era abadessa em Paracleto e suas respostas a elas.

Ao longo dos séculos, as cartas de Abelardo e Heloísa foram estudadas pelos principais especialistas na chamada Idade Média. O francês Étienne Gilson, em 1937, proferiu, no Collège de France, em Paris, uma série de lições sobre os dois amantes, que se transformaram no livro "Heloísa e Abelardo", que foi publicado pela primeira vez na França, em 1938, e lançado no Brasil pela Editora da USP.

“A correspondência que trocaram é suficientemente importante para que Gilson possa dizer que dela depende toda nossa compreensão do século 12”, afirma o professor José Carlos Estêvão, do Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, lembrando que o trabalho de Gilson é “a mais fina análise” já feita das mensagens trocadas entre os dois amantes.

Fontes: Wikipédia: Heloísa de Argenteuil e Jornal da USP:
A paixão e os dramas de Abelardo e Heloísa

Visitantes:



Compartilhe no LinkedIn