Campus de Cornélio Procópio
Cornélio Procópio, 31 de agosto de 2017
Campus da UENP em Cornélio celebra 53 anos de criação
Professor que se formou na primeira turma, e lecionou
na instituição por 28 anos, conta suas lembranças

O campus de Cornélio Procópio da UENP (Universidade Estadual do Norte do Paraná) comemora este ano 53 anos de criação. Em 1964, um grupo de políticos, empresários e fazendeiros se reuniam no Lions Club do município para discutir a implantação de uma faculdade local. "Entre os principais líderes estava o fazendeiro Arthur Hoffig, Benedito Cassilha, coletor federal, o médico José Ramos, e o então prefeito, Rosário Pitelli. Eles formaram uma comissão para conversar com o governador Ney Braga. No começo não houve uma recepção boa, mas após muitas negociações, a lei foi aprovada em 1964", lembra o professor de inglês, Newton Braga, 74 anos. Ele lecionou na instituição entre 1972 e 1999.

O campus de Cornélio Procópio possui hoje 1.500 alunos, oito graduações, cursos de especialização e dois mestrados (Ensino e Letras). A FAFICOP é integrada à UENP desde 2006, quando foi aprovada a lei que criou a instituição. O campus é dividido em duas unidades, a Centro e a da PR-0160. Vários cursos se destacam pelo bom desempenho: Ciências Contábeis, Letras Português/Inglês, Pedagogia e Ciências Biológicas têm conceito 4 no Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), numa escala cuja pontuação máxima chega a 5, e o curso de Administração tem nota 3.

Professor Newton C Braga<br />(Foto: Rúbia Pimenta/Folha de Londrina)

Em 1966, a instituição era paga e chamava-se Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cornélio Procópio, com quatro cursos: Letras Anglo-Portuguesa, Geografia, Pedagogia e Ciências. "O Estado arcava com o salário dos professores, e os alunos pagavam uma pequena mensalidade, para manter a faculdade. A gratuidade do ensino veio em 1988." Braga lembra que a transição não foi tranquila. "O governo repassava pouca verba, então tivemos dificuldades estruturais. Lembro do então diretor, Darci Ribeiro, dirigindo uma Kombi até Curitiba, para pegar suplementos na

UENP-Campus de Cornélio Procópio - Unidade Centro<br />(Foto: Rúbia Pimenta/Folha de Londrina)

Secretaria de Educação, pois faltava tudo, até papel."

Braga formou-se na primeira turma da FAFICOP, em 1969. "As aulas iniciaram em maio de 1966. No prédio atual da UENP Centro, no alto da Rua Portugal, funcionava também o 2º Grupo Escolar de Cornélio Procópio. O colégio funcionava de dia e a faculdade a noite. Posteriormente o colégio foi transferido para as antigas instalações do Colégio Estadual Castro Alves."

Braga conta que a principal dificuldade dos anos iniciais era encontrar professores. "Havia falta de mão de obra especializada. Fazer mestrado na época era raridade. Nossos professores vinham de Bauru ou Londrina."

O professor lembra que o perfil dos alunos era diferenciado. "Eram quase todos adultos, professores leigos de escolas. Como poucos tinham formação acadêmica na época, havia advogados, seminaristas, ou mesmo sem formação, dando aula nas escolas. Quando a faculdade foi instituída, muitos aproveitaram para se graduar. A Faficop foi responsável pela formação da maioria dos atuais professores da região." Para Braga, a faculdade teve importância ímpar para o fortalecimento cultural e educacional do Norte Pioneiro. "Antes, só quem vinha de famílias abastadas conseguiam ir para outras cidades estudar. Com a instalação em Cornélio, houve uma democratização do ensino superior, o que trouxe grande desenvolvimento regional."

Fonte (texto e fotos): Rúbia Pimenta (Folha de Londrina)

Visitantes:



Compartilhe no LinkedIn