Campus de Cornélio Procópio
Cornélio Procópio, 14 de outubro de 2022
História: Lições de Tolerância
Uma história que não vem na História

Em sua obra, "Histórias que não vêm na História", Assis Cintra traz uma pleiade de informações, que são abonadoras ou desabonadoras, sobre os personagens de nossa História, que, afinal, são gente como a gente, com qualidades e defeitos que são característicos do ser humano.

Aqui está uma história sobre nosso Imperador D. Pedro II, o Magnânimo. No decorrer de seu reinado, ele deu mostra de sabedoria, tolerância e patriotismo. A História pátria, na atualidade, infelizmente, quase não é ensinada para nossas crianças, que conhecem pouca coisa, ou mesmo nada, sobre os herois brasileiros, aqueles que ajudaram a criar o Brasil pujante e desenvolvido de hoje.

Retrato de D. Pedro II quando jovem, com cerca de 20 anos

Retrato de D. Pedro II quando jovem, com cerca de 20 anos.

Lições de Tolerância

Quando, em Paris, Clemenceau escreveu o primeiro ataque contra o senador Humbert, redator e proprietário de "Le Journal", a opinião pública, alvoroçada, descreu da imputação gravíssima atirada à face do mais poderoso jornalista francês, que se fizera senador graças às colunas do seu jornal. O senador Humbert fora capitão do exército francês, ajudante de ordens do general André. Era maçom graduado, sectarista vermelho, e não admitia que um militar brioso pudesse assistir missas, porque, dizia ele com desdém, o cristianismo era uma religião de escravos.

Tipo consumado do arrivista, tinha a frase fácil, a ironia mordaz, o sarcasmo causticante, a sátira ferina, o aprumo do "gentleman". Era tenaz instigador da maçonaria francesa contra Foch e outros oficiais católicos. Certa vez, conta-nos um cronista parisiense, Foch, então major e professor da escola Militar de "Saint-Cyr", foi ao Ministério da Guerra. Aí estava Humbert.

– Então, disse Humbert a Foch, ainda continua adepto do Cristo? E ensinas teu credo de humildade aos teus alunos, futuros generais da França?

O interpelado retorquiu, sereno e brando.

– "O que ensino aos meus alunos na escola Militar de "Saint-Cyr" é o meu credo de soldado, esse mesmo credo que me diz que a França não será salva na guerra pelos capitães de salão..."

Humbert empalideceu com a resposta, e dentro de sua função de militar-burocrata, desde esse dia multiplicou as suas hostilidades contra o então modesto professor de aspirantes a oficial. Elegante, espirituoso, inteligente, admiravelmente relacionado, não foi difícil a Humbert uma reforma vantajosa. Fez-se jornalista e a pena deu-lhe uma cadeira no Senado. Mãos misteriosas puseram-lhe na carteira a quantia necessária para, de parceria com o nababesco Bolo Pachá, apoderar-se das ações do "Le Journal". Os horizontes da política europeia turvaram-se. Movimentaram-se as florestas imensas de baionetas e explodiu a guerra europeia, incendiando de ódio a velha Europa. Foch, o ex-major professor de "Saint-Cyr", já era general. Caillaux dominava o cenário político e na imprensa pontificava Humbert. E enquanto a França se esvaia em sangue, o "Le Journal" se tornara, impelido pelos proprietários, um líder do derrotismo, destilando o veneno do desânimo, pregando a paz, que na ocasião seria a derrota. Atarracado, hirsuto, feio e gordalhudo, destemido e implacável, Clemenceau, diretor do pequeno jornal "L'Homme Libre", pedia a resistência, a luta, o combate, mesmo com Paris nas mãos do inimigo.

– "Cumpre morrer ou vencer", gritava esse jornalista em resposta a Humbert, que proclamava:

– "A França está sucumbindo. É preciso que se faça a paz."

Poincaré refletiu. O alemão, tenaz e forte, estava plantado em território francês. Fincara aí as suas raízes de aço. Era mister também uma vontade de aço para a expulsão do inimigo. E o presidente Poincaré, acabrunhado pelos insucessos patrícios, olhou em torno de si em demanda dessa vontade de aço que em serviço da pátria lhe desse a vitória almejada. Por ordem ministerial, a censura acorrentara o "L'Homme Libre". E Clemenceau publicava então o "L'Homme Enchainé".

Um dia foi parar nas mãos de Joffre um número de "L'Homme Enchainé". Mesmo amordaçado pela censura, ainda assim o jornalista gritava que seria preferível o arrasamento de toda a França, do que a paz com a derrota...

Era um artigo magistral. E Joffre pôs nas mãos do presidente Poincaré essa labareda patriótica, essa firmeza de vontade de vencer ou morrer.

Poincaré, que se vira atacado rudemente por Clemenceau quando foi da sua eleição; que considerava como um dos seus inimigos pessoais e políticos esse médico panfletário, derrubador de ministérios, batizado pelas multidões com o apelido de "O Tigre", tal a ferocidade de seus ataques; que mandara soldados para as oficinas e um censor para a redação do jornal desse temível político adverso; Poincaré que tudo isso fizera, sentiu em sua alma de patriota que o patriotismo latejava na atitude de Clemenceau e que o derrotismo mascarava a traição do senador Humbert, de Bolo Pachá e de Caillaux.

Chamado para uma conferência com o presidente, Clemenceau não se fez de rogado. Foi. E frente à frente, olharam-se os dois inimigos pessoais, durante minutos.

Falou o presidente:

– "Sr. Clemenceau, tenho lido o seu jornal. Sua vontade de aço, seu patriotismo, sua crença inabalável na vitória final, seu prestígio na alma das multidões, tudo isso me convenceu de que ao senor devo entregar os destinos da nossa Pátria. Mandei chamá-lo para lhe dar o Ministério."

– "E V. Excia. entrega a direção da política francesa nestas horas de angústia a um inimigo pessoal?"

– "Entrego os destinos da França a um bom francês..."

Clemenceau, o tigre famoso da política francesa, subiu ao poder. Os traidores comparsas de Bolo Pachá foram desmascarados e punidos. E esse admirável chefe de governo, tão bem como Poincaré, soube recalcar no íntimo da sua alma as suas antipatias pessoais em favor da França. Maçom, livre pensador, desafeiçoado de Foch, mandou vir à sua presença este general e deu-lhe o comando. E o general Foch comandou e venceu.

Belíssima lição de tolerância e de patriotismo! O presidente Poincaré, inimigo pessoal de Clemenceau, entregou-lhe a chefia do governo, porque nele reconheceu qualidades para esse posto; Clemenceau, maçom e livre pensador, desafeiçoado de Foch, ultra-católico, irmão de um jesuíta, põe nas mãos desse general o bastão de comandante do exército francês. E ambos, Clemenceau e Foch, deram à França os louros da vitória e a edificante afirmação de que no serviço da Pátria desaparecem as desafeições pessoais. Assim deveria ser sempre no Brasil em todos os seus futuros governos. Que se amainem as tempestades de ódios, que desapareçam todas as tricas pessoais, que se destruam antipatias ou mágoas de indivíduo para indivíduo, que no serviço da pátria todos sejam brasileiros.

Como é belo esse exemplo de grandeza de alma, de abnegado patriotismo, de sobranceria moral. De esquecimento de animosidades pessoais, de aproveitamento de todas as melhores aptidões, de tolerância e de transigência!

O Imperador Pedro II, durante o seu longo reinado, nos deu exemplos de tolerância e patriotismo como esses que ora foram referidos.

Um dia, visitando um grupo escolar, numa classe, num quadro negro, fixada com o giz branco de uma professorinha graciosa, revelada ótima pintora naquele desenho singelo, vimos a figura de Pedro II. Ao lado dessa, uma outra figura, bem diferente nas particularidades dos traços. Era Deodoro, o proclamador da República.

Retrato de D. Pedro II, por Mathew Brady, 1876

Retrato de D. Pedro II, com 51 anos, por Mathew Brady, em 1876.

Em Pedro II o olhar era suave, a fisionomia bondosa, e essa inteligente e graciosa mestra, a cuja aula fôramos assistir, parecia ter querido pôr naquele desenho, feito às pressas, sem pretensões de arte, um pedaço de sua alma pura de educadora. Impressão diferente desde logo resultava do outro desenho: a figura de Deodoro da Fonseca. Com uns olhos de gavião, com uma barba em leque semelhante a uma juba leonina sacudida pelo siroco do deserto, nariz encurvado como se fora uma garra de felino, em cima de uma boca de carniceiro, o conjunto era cruel. Desde logo se percebia o contraste.

O Marechal Manuel Deodoro da Fonseca faleceu em1892, poucos meses após D. Pedro II

O Marechal Manuel Deodoro da Fonseca faleceu em1892, poucos meses após D. Pedro II.

E a professora explicou suavemente, com a doçura característica dessas adoráveis criaturas, que são as andorinhas do ensino público:

– Meninas, ali à esquerda, aquele velho de longas barbas brancas, de olhar suave, de sobrecasaca preta, é o Imperador d. Pedro II. No lado direito, o outro velho, de farda berrante, com o peito coberto de crachás ou condecorações, medalhas e berloques com que se enfeitam os felizes triunfadores, é o marechal Deodoro da Fonseca, proclamador da República.

– Que fizeram eles, professora? – obtemperou uma vozinha cristalina, que mais parecia um chilrear de passarinho. Falara uma linda criança loira, de olhar azul.

E a professora respondeu:

– D. Pedro era nosso imperador. Subiu ao trono em 23 de julho de 1840, com apenas 14 anos de idade. Governou o Brasil até 15 de novembro de 1889. Em quase meio século de governo, esse nosso imperador sempre procedeu com bondade e justiça, dando a todos os patrícios o suave regime da liberdade. E justamente por isso, o povo brasileiro suportou um reinado tão longo. Vou contar alguns episódios da vida desse benemérito brasileiro, cuja fisionomia bondosa as crianças devem guardar com grande simpatia no coração, e cujo nome deve estar sempre despertado na memória de todos os patriotas.

Em 1873, o povo inteiro do Brasil se agitou num grande questão que abalou a nossa nacionalidade. Os ministros do Imperador, que representavam a força do governo, desavieram-se com dois bispos, ministros de Deus, que representavam a força da religião. De um lado o visconde do Rio Branco, grão-mestre da Maçonaria; de outro, d. Vital de Oliveira e d. Macedo Costa, respectivamente bispos de Olinda e do Pará. D. Pedro, como chefe de estado, não podia desautorar o ministro que exigia dos bispos o cumprimento de disposições legais; como católico, não queria abandonar os bispos que se recusavam a obedecer o governo. E então? Mandou que se cumprisse a lei. E a lei arrastou para o banco dos réus os dois representantes de Deus, num dos mais notáveis e famosos júris do nosso amado país; e o júri, que o acaso fizera ser composto de maioria de maçons, condenou os bispos a trabalhos forçados, como galés. E assim se cumpriu a lei. Mas também era lei a clemência do Imperador, que tinha a prerrogativa, como ainda o tem o presidente da república, de perdoar. E mandou o seu ministro que lavrasse o decreto de prisão, dizendo-lhes:

– "Como magistrado supremo da Nação, cumpri o meu dever, respeitando a lei e fazendo-a respeitar; como Imperador, tenho o direito de clemência, e uso desse direito, perdoando aos bispos, porque sou católico"... E perdoou.

Anos depois, houve um concurso na Escola Militar do Rio de Janeiro. Havia dois candidatos. Um era inimigo da Monarquia e da religião do Imperador. Chamava-se Benjamim Constant, o positivista e republicano. O outro era um oficial católico, irmão de um bispo, afilhado do monarca. Este foi assistir ao concurso. O candidato oficial do governo fracassou. Brilhante foi a prova do inimigo do governo que vivia a escrever e a fazer discursos contra a monarquia. E d. Pedro resolveu nomear Benjamim para o cargo de professor da Escola Militar. Estatelado, perplexo, com a pena imobilizada, o ministro não assinava o decreto. Como? Seria possível tão extravagante nomeação? Pois Sua majestade ignorara acaso que aquele sujeitinho era inimigo do trono, das instituições monárquica e católica? Nomear-se Benjamim Constant? Um republicano... e ainda por cima positivista.

Mas o imperador ordenou:

– "Lavre o decreto, isso de ideias, cada um tem a que quer ter. Não devemos fazer injustiça a um homem porque não pensa como nós. Benjamim fez a melhor prova do concurso. Será nomeado."

E nomeou. Fez mais ainda: convidou Benjamim Constant, que se revelara professor inteligente e hábil, par dar aulas aos seus netos, os príncipes filhos de Isabel, essa mesma que foi a redentora dos escravos.

Os olhinhos vivos e alegres da petizada fixavam-se cheios de amizade e simpatia na efígie do velho Imperador. Uma dessas crianças, mais trêfega, mais irrequieta, avançou com uma pergunta.

– E esse bom velho morreu governando o Brasil?

– Não, respondeu a linda mestrinha. Houve uma revolução chefiada pelo marechal Deodoro da Fonseca e pelo professor Benjamim Constant, ambos protegidos pelo Imperador. A revolução venceu e o imperador foi preso com a sua família w com ela foi expulso do Brasil para a Europa, deportado, assim como hoje o governo faz para esses estrangeiros maus que perturbam e ameaçam a nossa ordem e o nosso progresso.

– E o governo teria dado dinheiro para esse bom velhinho ir embora de sua terra?

– O governo ofereceu 5.000 contos, mas o imperador recusou.

– E depois?

– Depois o imperador, na Europa, teve muitas saudades do Brasil e para ele, antes de morrer, escreveu esta poesia a que chamou "Terra do Brasil":

Espavorida agita-se a criança,
De noturnos fantasmas com receio,
Mas se abrigo lhe dá materno seio,
Fecha os doridos olhos e descansa.

Perdida é para mim toda esperança,
De volver ao Brasil: de lá me veio
Um pugilo de terra; e nesta, creio,
Brando será meu sono e sem tardança.

Qual o infante a dormir em peito amigo,
Tristes sombras varrendo na memória,
Ó doce pátria, sonharei contigo.

E entre visões de paz, de luz, de glória,
Sereno aguardarei no meu jazigo,
A justiça de Deus na voz da História.

Serenadas as palmas com que as mãozinhas infantis premiaram a beleza e o patriotismo do soneto, a professora continuou:

– Em 1892, num modesto quarto de um hotel de Paris, foi morar o ex-imperador. Levava consigo, num pequeno travesseiro, um punhado de terra do Brasil. Falava que ao morrer queria que sua cabeça repousasse sobre aquele travesseirinho onde estava um punhado de terra de sua querida pátria. E quando sentiu que ia morrer, pediu o travesseiro e com ele, juntinho do seu coração exalou o último suspiro dizendo antes estas palavras, que foram o seu último pensamento:

"– Nunca me esqueci do Brasil. Morro pensando nele: que Deus o proteja."

A família imperial brasileira fez uma viagem permeada de melancolia até a Europa, levada pelo Alagoas

A família imperial brasileira foi transportado pelo Alagoas até a Europa

A campainha deu sinal de fim de aula. Íamos sair quando se aproximou da professora uma das crianças que mais se interessara pela história e disse:

– Professora, na próxima aula nós não queremos ouvir a história daquele outro velho que tem medalhas no peito e cara de gavião.

– Por quê? É o marechal Deodoro... o imortal proclamador da República.

– Porque foi mau para o protetor dele, o bom D. Pedro II. Nesse instante virei-me para o quadro negro. Na rapidez de um relâmpago, uma outra criança, com o seu lencinho de cores, esfregara a figura de Deodoro na face, apagando nesse ponto os traços de giz, deixando apenas um marechal sem cara.

A pequerrucha, na sua ingenuidade, pensara vingar assim o querido e tolerante Imperador do Brasil.

Histórias que não vem na História

Histórias que não vêm na História, de Assis Cintra, 1928

é um livro publicado pelo jornalista e escritor Francisco de Assis Cintra, em 1928, pela Cia. Editora Nacional, em que se propunha a divulgar acontecimentos históricos ou relacionados com a história oficial do Brasil, mas que haviam sido apresentados de maneira distorcida ou intencionalmente omitidos para se adequar ao pensamento e interesse do governante da época. Realizou pesquisa minuciosa e acurada ao longo dos anos e publicou os resultados, esporadicamente, nos vários jornais em que colaborou.

Este foi o último livro do autor, que se afastou das Letras, por alguns anos, para se dedicar a misteres mais proveitosos. Retornou para as lides jornalísticas por mais alguns anos. Assis Cintra publicou cerca de 50 livros em oito anos.

Visitantes:



Compartilhe no LinkedIn